A parvovirose é virose das mais conhecidas e das mais contagiosas entre os cães domésticos. Ataca mais os cães jovens que os adultos, talvez pelo fato destes últimos serem mais resistentes pela imunidade naturalmente adquirida.

A doença apresenta alta mortalidade, principalmente entre cães jovens, principalmente àqueles de raças puras ou animais mais fracos ou debilitados por verminoses ou outras moléstias, inclusive doenças ligadas à falta de nutrição adequada.

A sua transmissão acontece através do contato com as secreções do cão principalmente pelas fezes do animal doente. O vírus além de contaminar o ambiente, também se propaga rapidamente inclusive através do vento.

A doença se estabelece principalmente no aparelho digestivo. Pode causar febre exceto em animais adultos mais velhos nos quais normalmente ocorre uma queda da temperatura normal. Nessa fase chama a atenção o fato do animal se tornar sonolento e sem apetite, quando ocorrem também vômitos frequentes. No entanto, o sinal clínico mais comum desta doença, mas não somente dela é a gastroenterite hemorrágica, ou seja, diarreia com sangue. Normalmente o animal solta as fezes em forma de jato, de cor escura e fétida e com muito sangue. Isto ocorre pelo fato da lesão intestinal estar ocorrendo, muito antes do ânus. Até que o sangue saia, ele sofre ação das bactérias e enzimas intestinais e, consequentemente, assume uma coloração escura. O mal começa repentinamente, e sem tratamento o animal vem a sucumbir à infecção em poucos dias.

O diagnostico deve ser amparado por exames laboratoriais, pois existem algumas verminoses e intoxicações que podem ser confundidas com a parvovirose.

Infelizmente não existe nenhum tratamento específico para a doença e também nenhum medicamento que seja capaz de destruir o vírus. Basicamente, o tratamento realizado nos animais acometidos, é o tratamento de suporte que busca manter o animal hidratado além de tentar estimular a imunidade do cão para que o animal consiga combater e sobreviver à doença. Mesmo assim, muitos animais internados acabam não resistindo vindo a óbito.

A única forma de prevenção é através da vacinação dos cães. A vacina é popularmente conhecida como antiviral que além da parvovirose geralmente também protege contra outras doenças. Os animais começam a ser vacinados aos 45 dias de vida. A vacinação exige a aplicação de três doses iniciais, uma dose por mês, com revacinação anual para o resto da vida do cão. Filhotes que estão sendo vacinados não devem ter acesso à rua e nem frequentar banho e tosa antes de completar o seu esquema de vacinação. Animais adultos que nunca foram vacinados ou estão com a vacinação atrasada, devem receber 2 doses com intervalo de 21 dias entre elas e serem revacinados anualmente.

Mantenha seu animal sempre bem vacinado e protegido. Nunca tente tratar essas doenças com receita caseira, pois elas são graves e precisam de tratamento adequado para que o animal tenha alguma chance de sobreviver.

Dra. Vanessa Mollica Caetano Teixeira

Médica veterinária – Especialista em clínica e cirurgia – UFV

Mestre em cirurgia – Unesp