tingimento-caesAssim como os cabelos dos humanos, os pêlos dos animais também podem ser tingidos. As clínicas veterinárias e as petshops especializadas fazem isso com freqüência. O objetivo é simplesmente estético, já que o animal costuma ficar um charme. O mais comum é colorir a pelagem de poodles brancos ou abricots (bege). A conformação dos pêlos desses animais permite que absorvam bem as tintas e que a coloração fique uniforme. Mas outras raças também são passíveis de serem tingidas, desde que tenham a pelagem branca. Isso porque os pêlos naturalmente coloridos não mudam de cor facilmente. O mesmo acontece com aqueles animais que têm pelagem longa e lisa; ela costuma não fixar bem a cor.

Normalmente, as tintas são antialérgicas e atóxicas; não fazem mal para o animal e nem para o seu dono. Todas as cores podem ser usadas. A exceção fica por conta do vermelho, muito difícil de ser atingido, pois o resultado final sempre acaba puxando um pouco para o laranja (pêssego) ou para o vinho. Muitos proprietários de cães gostam de colorir seus animais com as cores da bandeira do seu time de futebol.
A coloração some progressivamente à medida que o animal toma banho. Um tom rosa choque, por exemplo, acaba ficando rosa claro no primeiro banho e rosa bebê no segundo. Após cinco banhos, a coloração desaparece completamente.

Vale lembrar que todos os produtos usados na pele do cão devem ser de uso exclusivo para esta espécie. Desta forma, o animal fica protegido de problemas de pele como alergias e perda de pêlos. Infelizmente, uma prática que tem se tornado comum entre os donos de cães, é o tingimento dos pêlos utilizado produtos totalmente inadequados tanto para a espécie quanto inclusive para a finalidade. Um bom exemplo é a utilização de papel crepom para a coloração dos pêlos do cão. A tinta que o papel libera é tóxica e pode causar graves problemas ao animal. Portanto, se você tem amor e respeito pelo seu cão, sempre preze pela sua saúde e bem estar.

Dra. Vanessa Mollica Caetano Teixeira
Médica veterinária – UFV
Especialização em clínica e cirurgia – UFV
Mestrado em cirurgia – Unesp – Jaboticabal